sexta-feira, 10 de setembro de 2010

SOLIDÁRIOS NA PORTA

" Vivemos a civilização do automóvel,mas atrás do volante de um carro o homem se comporta como se ainda estivesse nas cavernas.Antes da roda.Luta com seu semelhante pelo espaço na rua como se este fosse o último mamute.Usando as mesmas táticas de intimidação,apenas buzinando em vez de rosnar ou rosnando em vez de morder. O trânsito em qualquer grande cidade do mundo é uma metáfora para a vida competitiva  que a gente leva,cada um dentro do seu próprio pequeno mundo de metal,tentando levar vantagem sobre o outro, ou pelo menos tentando não se deixar intimidar.E provando que não há nada menos civilizado que a civilização.
  Mas há uma exceção.Uma pequena clareira de solidariedade na jângal.É a porta aberta.Quando o carro ao seu lado emparelha com o seu e alguém põe a cabeça para fora,você se prepara para o pior.Prepara a resposta."É a sua!"Mas pode ter uma surpresa.
 -Porta aberta!
 - O quê?
  Você custa a acreditar que nem você nem ninguém da sua família está sendo xingado.
Mas não,o inimigo está sinceramente preocupado com a possibilidade da porta se abrir e você cair do carro.A porta aberta deter mina uma espécie de trégua tácita.Todos a apontam.Vão atrás,buzinando freneticamente,se por um acaso você não ouviu  o primeiro aviso."Olha a porta aberta!"É como um código de honra,um intervalo nas hostilidades.Se a porta se abrir e você cair mesmo na rua,aí passam por cima.Mas avisaram.
  Que dizer,ainda não voltamos ao estado animal." 


Autor: Luís Fernando Verissimo
Fonte:Gramática
Douglas Tufano
Lúcia
10/09/010

Um comentário:

Zeze Mendez disse...

Oi, bela postagem.
Desejando uma ótima semana e passando pra agradecer as visitinhas de sempre.
Deus te abençoe.